em , ,

Paulo Guedes fatura alto com a desgraça do Brasil

Muitos apostaram que Paulo Guedes era o nome certo para assumir a economia do Brasil, principalmente a classe alta e a classe média, porém após mil dias de governo a ficha finalmente caiu para boa parte da população nesta semana quando documentos revelaram que o ministro possuí uma fortuna em dólares escondidos em paraísos fiscais e anda faturando alto contra a economia brasileira.

Segundo reportagem do UOL, Paulo Guedes teria faturado ao menos 14 milhões de reais com alta do dólar, que subiu cerca de 40% até agora sob sua gestão. Se para muitos o tal posto ipiranga deixou o país na miséria, para alguns poucos – entre eles o próprio Paulo Guedes – a desgraça alheia é motivo para comemorar.

Vale lembrar que em diversas ocasiões Paulo Guedes disse que a alta do dólar é positiva para o Brasil, só se for para alguns poucos afortunados que podem tirar o dinheiro do país e esconder em ilhas do Caribe. Enquanto isto a população de modo geral sofre com alta nos preços, na gasolina e em todo custo de vida.

Manter contas fora do Brasil não é crime, porém é criminoso que o líder da política monetária do país esteja se beneficiando às custas da miséria de mais de 200 milhões de brasileiros. E para quem acha que é pouco, vale lembrar que ao aumentar os impostos, coisas que Bolsonaro jurou de pé junto que não faria, Paulo Guedes esteve tentando tirar o seu da reta ao isentar brasileiros que mantém contas no exterior de pagar mais.

Essa atitude não é nem de cara de pau, é coisa de pilantra mesmo! Mais um verdadeiro par de chifres para quem apoia este monte de bandidos engravatados que se dizem humildes, mas que na verdade só querem esfolar a população como faziam os senhores de terra no período colonial.

Segue a boiada…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

GIPHY App Key not set. Please check settings

Com dinheiro público, Jorge Seif passeia e faz turismo em Dubai para ‘promover’ o Brasil

Com fome e desemprego, aumenta o consumo de pé de galinha e ossos no Brasil