em

Economistas já começam a chamar o dólar de “Michael Phelps” por conta do número de recordes batidos pelos dois americanos

Este texto é de conteúdo satírico, ou seja, sem compromisso com a verdade.

Economistas já começam a chamar o dólar de “Michael Phelps” por conta do número de recordes batidos pelos dois americanos.

O dólar tem se mostrado bastante à vontade para quebrar recordes no governo Bolsonaro. A moeda americana chegou a R$ 4,44 pela primeira vez na História.

As comparações com o campeão Michael Phelps, especialista em superar recordes e americano como o dólar, foram inevitáveis.

Mas ao contrário do que ocorria com o campeão das piscinas, que a cada recorde renovava o interesse dos patrocinadores, o recorde da moeda americana sobre a nossa só faz afastar os investidores.

Alguns chegam a atribuir esses resultados ao coronavírus que teve o seu primeiro caso confirmado em terras brasileiras. No entanto, o que é uma unanimidade entre os especialistas do mercado financeiro é que a classe média não poderá voltar para a Disney tão cedo.

“Até o Beto Carrero World está se afastando da realidade dos brasileiros”, disse um economista consultado pela equipe do A!político.

Opiniões

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando

0
Avatar

Publicado por Francisco da Chaga Mendes

Cabeça, tronco, membros e álcool em gel.

“A gente nem pode chamar um negro de preto que o crioulo já se ofende”, diz Bolsonaro em defesa da repercussão de comentário racista.

“A gente nem pode chamar um negro de preto que o crioulo já se ofende”, diz Bolsonaro em defesa da repercussão de comentário racista

#Humor Bolsonaro recua da proposta de eliminar o dia 29 de fevereiro do calendário: “Seria um dia inteiro sem o meu governo falar besteira”.

Bolsonaro recua da proposta de eliminar o dia 29 de fevereiro do calendário: “Seria um dia inteiro sem o meu governo falar besteira”